domingo, 4 de outubro de 2009

Uma situação muuuuito delicada.


Lógico que como mãe, sempre soube e até me avisaram que as situações delicadas e difíceis apareceriam, mas eu não imaginava o quanto era constrangedor passar por uma delas.

Ontem, fomos almoçar fora, eu, Má e Nícolas (que se comportou super bem, brincando com todos e muito simpático), após o almoço, fomos dar uma volta e encontramos o Christian, a Bianca e a Érika (pra que vocês possam entender, são: meu afilhado, a sua irmã e a minha comadre) que estavam acompanhados da família da Érika.

Quando a Bianca viu o Nícolas foi uma festa (ela tem 4 anos), com direito a beijos, abraços e euforia total.

Estávamos conversando dentro da loja, na maias pura tranquilidade até que o Nícolas bateu na Bianca (um tapa no rosto com direito a estalo e tudo), na hora - tadinha, ela abriu o maior berreiro e com razão. E eu? briguei com o Nícolas, dei 2 tapas na mão dele, disse que era muito feio bater na amiguinha e que estava muito triste, o Marcelo procedeu da mesma forma. Peguei a Bianca, beijei, abracei, pedi desculpas por várias vezes - a ela e a sua mãe.

Mas percebi que a Érika estava furiosa e com ódio mortal do Nícolas, se pudesse havia voado no pescoço dele ou teria devolvido o tapa com uma intensidade bem maior.

Fiquei muito triste com a situação e voltei a me desculpar e ela por sua vez, voltou a me ignorar.

O pior é que somos vizinhas de porta (literalmente), então já falei para o Marcelo não deixar o Nícolas ir até lá (o que naturalmente eu não gosto), mas é que o Marcelo adora se livrar do Nícolas, então quando eu não estou em casa, ele leva o pequeno para brincar com o Christian e com a Bibi.

Sei que o Nícolas errou e que a Érika tem todo o direito de ficar brava, mas será que o que eu fiz não foi o suficiente? Eu briguei e até bati nele (o que sou contra).

Fazer o que. Vou conversar com a psicóloga lá da escola e perguntar o que fazer nesses casos. O mais interessante é que o Nícolas só implica com a Bianca, todos os brinquedos que ela pega, ele quer e daí por diante, mas ele nunca havia feito isso.

Realmente fiquei numa situação muito delicada.

10 comentários:

Eliane disse...

Ei Gisele,
Essa situação foi delicada mesmo! Mas você agiu corretamente, fez tudo que se esperava de uma mãe que mostra os limites de certo e errado para seu filho. Você repreendeu o Nicolas na hora certa, mostrou para ele que agiu errado e além do mais pediu desculpas para a mamãe da outra criança. Entendo a raiva dela, mas ela também tem que entender que se trata de uma criança de pouco mais de um ano e que está começando a aprender os limites da socialização. Acho que você não precisa ficar preocupada não, pois agiu pronta e corretamente.
Um grande beijo,
Eliane e André

Adriana disse...

Então, a situação é delicada, mas acho que todas as mamães devem entender que tapinhas, beliscões e briguinhas fazem parte, infelizmente, do desenvolvimento das crianças. Ás vezes porque viram alguém fazer e querem repetir o gestos, outras é pra se defender, ou ainda pra se livrar de uma situação que deixou o pequeno irritado. Nós, como pais, devemos ensinar que não pode, é feio, machuca. A Giulia pouco bate, mas quando batia eu revidava. Aí um dia fiquei pensando, qual a logica de dar palmadas porque a criança deu uma palmada em alguém? cmo eu posso dizer que não pode, que é feio, se acabo de repetir o mesmo gesto? então agora qndo a Giulia bate eu digo que não pode blá blá blá....e faço ela pedir "desculpas" dando um abraço bem apertado. Tem funcionado.
Agora a mãe da crinaça ficar de cara virada...não faz sentido, ela deveria ser compreensivel porque certamente já passou com isso quando a filha dela era menor!

bjssssssss e uma ótima semana!

Dri

Carolina disse...

O Gi, concordo com a Dri, também passei por isso aqui, li muito, muito... e batendo só ensinamos a bater. Eu segurava a mãozinha do Gabriel e dizia que isso eu não gostava e dava um beijo, fazia um carinho. Levou uma semana e muita paciência, mas ele é outro. Não lembro em qual livro li que as mães sentiam muita vergonha por isso, e era isso que sentia às vezes também. Mas, com carinho essa fase passa. Um beijão para vcs.

disse...

Olá!!!
É uma situação realmente delicada, mas vc reagiu da forma correta, eu tbm acho que dar tapinha não é o melhor jeito, mas já passei por uma situação bem parecida com a sua e na hora reagi da mesma forma que vc. O Gabriel brincando com a minha afilhada (da mesma idade q ele), estava dando beijinho na bochecha dela até que lhe tacou uma mordida de ficar os furos dos dentes dele, na hora eu como mãe do "agressor" rsrsrr, dei um tapa na mão dele, disse que era feio blá blá, fiquei toda sem jeito mas minha cumadre como trabalha com crianças entendeu, lógico que não deve ter gostado de ver sua filhinha machucada e chorando mas entendeu dizendo que era normal p idade deles.
Mas Gi com certeza sua atitude foi a melhor q vc encontrou no momento e mamãe dedicada como vc é nunca vai admitir que seu filho faça isso por querer, mas hj ele é pequenininho ainda não entende, o que temos que fazer é ensinar e educar com os erros que eles cometem.
Bjusss

mamãe Juliana disse...

amiga que situaão mas vc agiu de maneira correta sim.
Beijos para vcs!

Vivian disse...

Olá Gisele!!
Pesquisando sobre o mundo infantil no google, descobri seu blog, q por sinal é lindo, adorei as coisas q escreve. Seu filho é uma graça!! Qto ao seu post, q situação difícil mesmo, não passei por isso (ainda) com o Gabriel, q está com 1 ano e 4 meses, mas com certeza, ainda vou passar, afinal criança é criança não é mesmo?!
Acho q agiu corretamente sim, tbm sou contra bater, porém, há situações em q umas palmadinhas são necessárias... Eles estão descobrindo o mundo e aprendendo a conviver com ouras crianças, cabe a nós corrigí-los e educá-los.
Bom, passa no nosso cantinho pra nos conhecer!!
Vou te seguir, a partir de hj...
Bjo

Nathalia E. Strutzel Pádua disse...

situação delicada mesmo !
vc agiu de forma correta !!!, porém essas coisas acontecem !
o gui também era muito de "atacar" as outras crianças com tapas, beliscos, e afins....rs
mas passou ! acredito que são fases !! mas se agente não der bronca e cortar na hora, isso só se prolonga !!! mas não se preocupe !! isso passa ! certeza !
beijão.

Luna disse...

Oi Gi, apesar de nunca ter dado uma palmada no Felipe eu entendo seu lado, e acho que fez tudo que a situação exigiu: corrigiu o Nicolas, se desculou com a mãe e com a criança. Agora, se a mãe que é adulta (e mesmo não gostando da situação) não entende que crianças agem assim, paciência.
Bjinhos

Pati disse...

Aiiiiiiiiiii... pensei muito em vc ontem... rs Fui na casa de um amigo que tem um bb de 1 a e meio, e o mesmo eh bem agressivo, ele bateu no gui, puxou cabelo e deu um empurrao tao forte que meu filho caiu bateu o nariz no chao que chegou a sangrar... meu amigo brigou varias vezes, colocou de castigo e mesmo assim meu filho continuou a ser perseguido pelo filho dele... rs
Ver que ele brigou com o filho me consolou um pouco...rs Pq doi na gente... mas sao coisas que acontecem... acho que sua amiga esta exagerando... Criancas sao assim mesmo, e temos que ensinar com carinho o certo e o errado.
Acha que eu gostei de ver o nariz do Gui sangrando? Odiei... mas sao criancas... estao aprendendo a se socializar, e nos como pais temos que orientar, ensinar, dar carinho e encher de amor...

Edneia disse...

Oi querida, fico muito feliz por voce me linkar, adorei seu blog, olha em relação ao seu principe, acho que voce agiu da forma correta, foi firme com seu pequeno, sem contar que ele é praticamente um bebe ainda, até me arrisco dizer que 90% das crianças ja teve ou ainda tem esse comportamento, ja passei por situação parecida, mas a minha amiga entendeu a reação do Lucas, na epoca ele tinha 2 aninho, e não virou a cara pra mim, desculpe falar, mas penso que sua amiga teve um comportamento super infantil, pois crianças brigam e na mesma hora estao brincando novamente, espero que ela pense um pouco e volte ser o que era com voce.

Beijos pra voce e para seu principe