segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Agora já são 21 no total...

Nós dois, após 21 anos juntos...
Minha família.


Eu e Nícolas.


Três gerações: avó, filha e neto.


Viva 2012!!!!



É, esse foi o 21º Ano Novo que passei com o marido, já faz muito tempo desde o primeiro, passamos como namorados, noivos, casados e até mesmo separados, mas o mais importante é que passamos e esses últimos quatro foram sem dúvida alguma os mais especiais, pois temos o Nícolas conosco.

Nesse, assim como no ano passado, optamos por ficar em casa e minhas cunhadas e sobrinhos vieram para cá, junto a minha mãe é claro-só faltou a bisa, que não veio porque estava internada até o dia 30 pela manhã.

Gosto dessas datas e gosto de casa cheia...o que não é muito difícil de conseguir, já que o apartamento é pequeno rsrsrrs,

Conversamos muito e agradecemos a Deus por tudo o que passamos e eu aproveitei para renovar os meus pedidos e reforçar os meus combinados comigo mesma.

O Nícolas é um capítulo à parte, já que bagunçou muito e aproveitou ao máximo que podia, até se empolgou e foi com os primos assistir a queima de fogos na prais, mas quando o espetáculo começou, pediu desesperadamente para voltar para casa e os coitados nem puderam curtir a festa até o final. No dia 1 º de janeiro de 2012, nos reunimos novamente e ficamos em casa conversando mais um pouco e fazendo planos para o futuro.

E o mais importante é que estive, estou e espero estar por muito tempo ao lado da minha família e principalmente do meu marido...

Feliz Ano Novo!!!!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Fechando mais um ciclo....



Daqui à poucas horas já estaremos em 2012 e assim finalizando 2011!!! Foi um ano de muito aprendizado, crescimento e desenvolvimento em todos os aspectos: emocional, profissional, amoroso e financeiro. Não foi um ano nada fácil, mas quem disse que o caminho para evolução é ???Fecho esse ano como quem termina um ciclo, que foi cumprido da melhor forma possível e tenho fé e muita, mas muita esperança que 2012 seja melhor e com certeza será... Desejo à todos um Feliz ANO NOVO repleto de paz, Saúde, Harmonia e muito AMOR. E que venha 2012, pois estarei ansiosa pela sua chegada.....

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Ser Mãe....

Me desculpe quem ache que ser mãe é padecer no paraíso....mas hoje estou arrasada!!!!!!


Desde que me torneio mãe, convivo com a culpa e a dúvida 24h por dia e 365 dias por ano e não adianta me falarem que é assim mesmo, pois ainda não consigo aceitar. Me questiono por tudo: "se o Nícolas está se alimentando bem, se está com frio ou com calor,se desenvolveu a gagueira, se é levado, se não respeita as regras e por aí vai".Me sinto impotente muitas vezes e me intitulo uma péssima mãe na maioria dos casos e frente a algumas situações.


Na semana passada fomos ao aniversário do filho de uma amiga, juro quer ao sairmos de casa falei, expliquei, pedi para que o pequeno se comportasse bem e tudo mais, quando chegamos à festa parecia que eu não havia falado nada, ele ficou o tempo todo atrás dos pais do aniversariante (parecendo um menino carente), do aniversariante e para completar cismou que queria presentinho (lembrancinha), com toda a calma expliquei que ele receberia ao final da festa e então foi o momento dele desejar ir embora, fez, falou e resmungou até ganhar a lembrancinha e não satisfeito queria que o amiguinho abrisse os presentes-o que foi a gota d'água naquele momento, decidi vir embora e me despedi com toda a educação e pedindo mil desculpas pelo comportamento do meu filho, mas por dentro estava morta de raiva e o pior, me sentindo culpada por aquela situação. Ao entrarmos no carro, dei uma bronca como jamais havia dado, falei tudo novamente e ele muito atento me olhava com os olhos mais espantados do mundo, acho que estava realmente brava, tanto que em nenhum momento o Marcelo intercedeu na conversa. No dia seguinte liguei para a minha amiga, muito sem graça e me desculpando novamente pelo ocorrido e ela toda gentil me disse que criança é assim mesmo, acredito que me falou com toda a sinceridade, mas no fundo acho que foi para me confortar mesmo.


A semana passou, conversamos novamente e na quarta feira recebemos o convite da mãe de um amiguinho da escola para lancharmos juntos hoje, pois o filho dela gosta muito do Nícolas e o meu não para de falar o nome do amiguinho. Não comentei nada com o Nícolas até para não gerar um ansiedade maior.


Hoje pela manhã explique que iríamos a casa do amiguinho e que ele deveria se comportar bem, brincar com os amigos, que não é necessário ficar abraçando-os a todo momento, que sempre deve agradecer por tudo, que não deve pedir as coisas e etc. Almoçamos e lá fomos nós. Levei um bolinho para o nosso lanche e comprei um vasinho de violetas para a mãe do amiguinho, no qual o Nícolas fez questão de entregá-lo em mãos, o que fez todo feliz e sorridente, abraçou a todos, principalmente o amigo querido.


Havia mais duas mães da escola, mas não da mesma classe e uma menina linda. Levei também alguns brinquedos para que eles pudessem se divertir. Resumindo...foi um completo desastre, quando os amigos pegavam os benditos trenzinhos do Thomas, o Nícolas chorava, gritava e ficava até sem fôlego dizendo que não queria dividir os seus brinquedos com ninguém e eu com toda a paciência explicava que precisava dividir sim , pois todos estavam dividindo e que se ele não dividisse viríamos embora, ele novamente não teve dúvida e optou por vir para casa, mas depois mudou de ideia. Acho que esse teatro durou umas 2h e eu mooorta de vergonha sem saber se viria embora ou se ficava tentando contornar a situação, na verdade não sabia qual das duas opções seria a melhor diante daquela situação constrangedora


As mães foram super agradáveis novamente e diziam que os delas também se comportavam assim. Não consegui ficar sentanda conversando por mais de 30 minutos pois sempre estava "apagando um incêndio" e a conversa estava bem agradável, conversamos desde a vida profissional até a maternidade e as suas dificuldades, além dos acertos e erros. Contei a respeito da gagueira do Nícolas, do tratamento com a fono, do seu gênio difícil e voluntarioso, do seu nervoso descontrolado e elas me indicaram uma homeopata, que por sinal marquei a consulta lá mesmo, estava me sentindo muito bem em conversar com outras mães, ouvir relatos, as dificuldades, mas no fundo me sentinho culpada novamente pelo comportamento do Nícolas. Fui a 1ª a vir embora, lá pelas 19:30 e com um nó na garganta e uma vontade imensa de chorar. Lógico que quando entrei no carro desabei e ao contrário do que eu mesma imaginava, não brigue com o Nícolas, só perguntei se ele havia gostado de reencontar o amigo e ele com a carinha mais inocente e feliz do mundo me disse que havia adorado tudo. Brincou e brigou tanto que dormiu no carro mesmo.


Cheguei em casa arrasada e acho que ainda estou. Conversei muito com Marcelo e nos questionamos onde estamos errando com ele, pois quando ele faz algo errado, nós falamos, explicamos, colocamos ele para pensar, mas parece que não adianta de nada.


Vou tentar me acalmar e amanhã quando ele acordar iremos conversar novamente e por enquanto vou deitar e pedir muito a Deus e ao anjinho de guarda a do meu filho que faça com que ele seja menos egoísta, menos carente e que aprenda a conviver sem que seja o centro das atenções. E também não posso me esquecer de pedir luz e discernimento para fazer as escolhas certas.

domingo, 5 de junho de 2011

Brincar, Pintar, Tocar , Sujar e para Mamãe...só resta LIMPAR.




Até que o título do post rimou, mas é assim mesmo, quando o Nícolas começa a brincar, sei que no final vai sobrar para que eu limpe e organize toda a bagunça. Ele bem que tentou me ajudar, mas só ganhou um nariz vermelho que eu achei uma graça.

Nesse fim de semana frio e chuvoso teve de tudo, desde tinta do papel até o chão até imitação e dupla com o amigo Cebolinha.

Afinal como é gostoso fazer bagunça e brincar.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Um pouco mais de mim.




Ultimamente tenho pensado muito na minha vida, no que passou, pelo que estou passando e na verdade mais ainda no que o futuro me reserva.

Sempre fui uma pessoa cercada de muitos amigos, mas que no fundo me sentia muito sozinha. Para os meus pais sempre fui a filha bem resolvida e autônoma e por muitas vezes o porto seguro do resto da família.

Me lembro muito bem quando perdi o meu pai e resolvi toda a parte burocrática sozinha, sem pedir o auxílio sequer do meu querido marido, a minha única preocupação era que tudo acabasse bem rápido e que a minha mãe foi preservada e que não sofresse mais do que estava sofrendo com a doença e a partida dele. Logo veio a gravidez tão desejada, esperada e complicada que mal tive tempo de amadurecer as mudanças, depois o parto, daí por diante me tornei mãe e sofri, como sofri e ainda sofro com o aprendizado, então depois de tudo isso e com um bebê de quase um mês...pirei, entrei em depressão, sofri, chorei, me senti muito sozinha sempre estando acompanhada, mas amadureci.

Estou passando por uma fase de muitas descobertas e reencontrando a Gisele com quem à muito tempo não conversava.

Parece piegas, mas como passar por aqui tem me ajudado, perceber que várias pessoas passam pelos mesmos conflitos e que não estou sozinha nesse mundão que ultimamente tem sido tão cruel e sem valores (o que acredito que cabe a mim também mudar algumas situações e nunca me esquecer que gentileza gera gentileza e que podemos melhorar tudo que nos cerca, se começarmos) a mudança por nós mesmos.

Sofri muito por amizades mal sucedidas, mas passou e acredito que me fez enxergar algumas coisas que ainda estavam obscuras, afinal aprendi que a Caridade começa em nosso lar e que existe uma diferença enorme entre casa e lar.

É uma nova fase, mais madura sim, mas que ainda é cheia de conflitos e ansiedades, além da cobrança em ser uma boa mãe, em fazer tudo certo, em tomar as melhores e mais ponderadas atitudes, mas é sem dúvida alguma a Gisele que eu quero ser para a minha família, aquela que vive e revive cada dia dia como se fosse o último, que não tem tudo o que quer, mas que quer e muito tudo o que tem.

Tenho um amor incondicional pelo meu filho e pelo meu marido, sou muito feliz ao lado dos dois e embora tenhamos alguns conflitos, já que convivemos há 20 anos, não perdemos a vontade de estarmos juntos, sofrendo, rindo e o melhor de tudo, superando todas as dificuldades.

Quanto a maternidade, gostaria de ter mais um filho, mas me sinto envergonhada em pedir algo a mais a Deus, já que me deu o Nícolas, que sem dúvida alguma é o melhor de mim, a minha essência.

Enfim, assim sou ou melhor, assim estou eu.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Quando é tempo de voltar?



Confesso que nos últimos meses, pensei por várias vezes em não voltar ao mundo blogueiro. Não que eu não goste dessa atmosfera e que tenha mágoas ou ressentimentos, muito pelo contrário...aprendi muito por aqui e fiz boas amizades.

Mas acreito que passei por uma fase de clausura, de autoconhecimento ou de reorganização interna.

Não posso me queixar e dizer que tive momentos que não merecessem ser registrados, mas na verdade estava sem vontade mesmo. Agora, depois de tudo arrumado internamente, acho que estou pronta para voltar e deixar registrado com muito amor e carinho os bons e difíceis momentos que passo nessa estrada tão cheia conflitos mas tão amada maternidade.

Bem, de agora por diante é me encher de motivação e coragem para sempre passar por aqui e deixar tudo bem guardadinho para que no futuro o Nícolas entenda um pouquinho da nossa vida em família.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Parabéns meu filho amado!!!!




Hoje é um dia muito especial, pois é o dia do seu Aniversário!!!

Com certeza, você é o que de melhor existe em mim, é por você que eu vivo e sobrevivo.

Saiba que você é muito amado e que sempre foi muito desejado e esperado.

Peço todos os dias que você seja muito feliz e que cresça cultivando Paz e Amor.

As lembranças são, e acho que, sempre serão muito presentes na minha mente e me lembro como se fosse hoje o dia do seu nascimento, que com certeza foi o dia mais marcante da minha vida, foi o dia em que conheci o verdadeiro significado do amor, um amor sem cobranças, sem trocas, e sim o sentimento mais verdadeiro que já senti, um sentimento tão forte que não consigo explicar, mas que por muitas vezes dói lá no fundo do coração.

Sempre digo que você é o meu divisor de águas e que a minha vida mudou muito após a sua chegada.

Felicidades e continue sendo o meu pequeno por muitos anos!!!!
Te Amo muito.