terça-feira, 8 de junho de 2010

E o nosso feriado foi...assim, assim...






Feriado é muito bom, embora feriado aqui em casa seja sinônimo de trabalho redobrado e foi assim que começou, para não perder o pique. na 5ª feira acordei muito cedo e comecei a arrumação da casa, enquanto o marido e o filho não acordavam, às 12:00 o almoço já estava pronto e que almoço caprichado, regado de amor e carinho, ficamos em casa e curtimos os três, bem juntinhos, até que chegou 6ª, também sem grandes novidades.
No sábado, tiramos o dia para passear e à noite, fomos com os primos à uma pizzaria. E aí começou o meu drama....
O Nícolas sempre foi uma criança quieta e ao mesmo tempo muito carinhoso comigo e com todos à sua volta, embora estranhe as pessoas desconhecidas e mantenha uma certa distância, mas no sábado ele estava TERRÍVEL e não ficou quieto por um segundo, para distraí-lo, levei uns carrinhos e o notebook para que ele se distraísse, mas d nada adiantou, o menino estava atacado e para completar, quando quis pegá-lo no colo para conversarmos, ele me deu um tapa no rosto, que acordo com o Marcelo, eu fiquei vermelha feito pimentão. Na hora, respirei fundo e com toda a doçura, disse que não havia gostado dessa atitude e que estava muito tristre com ele, mas na verdade, eu tive vontade mesmo de arremessá-lo longe, como fiquei brava e me achei uma péssima mãe, daquelas que não sabe educar o filho, que não dá limites, tão pouco respeito ou educação.
Fiquei tão chocada que voltei chorando no carro, talvez pelo sentimento que tive (de raiva), mas depois me acalmei e conversei com o Nícolas explicando que não foi certa a atitude dele e que a mamãe havia ficado realmente triste.
No domingo, tudo se normalizou, fomos almoçar na minha mãe e o Nícolasd ficou um pouquinho na tia Cida e eu aproveitei para tirar uma sonequinha.
Chegamos em casa e eu o beijei muito dizendo que mesmo ele sendo o meu furacão, eu o amava muito e que ele me perdoasse pelo sentimento que tive no dia anterior.
Cheguei a conclusão de que ser mãe realmente não é fácil e que sempre é preciso manter a calma e o bom senso, embora isso seja realmente um exercício diário que requer muito amor.

Um comentário:

Adriana disse...

Oi Gisele! a Giulia é assim como o seu Nícolas, doce e calma, mas em seus momentos de fúria tb fica insuportável, coitada! Já notei que geralmente é quando ela está cansada, fica boba, desobediente. Uma vez ela me deu um tapa no rosto em público tb, fiz como vc, conversei, disse que estava triste mas na real me deu uma vontade de dar umas belas palmadas no bumbum dela.

:(

bjs